Jovens

Se és alvo de bullying...

A primeira coisa a fazer quando somos vítimas de bullying é falar com alguém, um adulto em quem confiemos. É claro que isto é mais fácil de dizer do que fazer. Quando vivemos uma situação de bullying sentimo-nos muitas vezes envergonhados e temos medo de denunciar o bully. No entanto, o bullying só terá tendência a aumentar se não pedirmos ajuda.

É fundamental falar com um adulto sobre uma situação de bullying quando está em causa a nossa integridade física ou psicológica. Já morreram adolescentes por serem perseguidos, ameaçados e atacados. O silêncio permitiu ao bully tornar-se cada vez mais violento.

Nalguns casos pode ser necessário envolver a Polícia – atacar alguém fisicamente ou online é um crime!

Experimenta algumas destas ideias:

  • Lembra-te de que tens o direito a ser respeitado. Alvos de bullying por vezes acreditam que os insultos que recebem são realmente verdadeiros. Não! Pode ser difícil mudar a forma como os outros alunos te tratam, mas tu tens o controlo acerca do que pensas de ti próprio.
  • Encontra um aliado. Diz a um vizinho, parente, colega ou amigo. Se estamos num situação de bullying que pode escalar e tornar-se violenta, devemos evitar o mais possível andarmos sozinhos.
  • Ignora o bully e vira-lhe as costas. Fingir que não o estamos a ouvir e continuar a andar para um sítio onde haja mais colegas e adultos por perto é uma boa estratégia. Os bullies procuram uma reação às suas provocações e maldades, se não a conseguirem perdem mais facilmente o interesse. Agir como se o bully nem existisse pode parar o seu comportamento.
  • Não mostres sentimentos. Os bullies querem controlar as nossas emoções. Podemos tentar distrair-nos a nós próprios, para manter a nossa cabeça ocupada com outra coisa até estarmos num sítio seguro onde podemos mostrar e falar sobre os nossos sentimentos a um amigo.
  • Não fazer bullying nem andar à luta. Não faças aos outros o que não gostas que te façam a ti. Fazer bullying de volta só dá satisfação ao bully e é perigoso. Podes escalar a violência e ser castigado pela escola ou os teus pais.
  • Pratica a tua confiança e assertividade. Às vezes, não nos sentimos corajosos ou confiantes, mas podemos praticar formas de responder a um bully, mesmo que para isso tenhamos que fingir que nos sentimos confiantes. Aprendermos formas de sermos assertivos também nos pode ajudar a sentir mais poderosos. Mantém-te de pé e de cabeça erguida.
  • Anda sempre acompanhado com pelo menos mais um amigo.
  • Fala sobre o bullying. Pode ajudar-nos a sentir melhor e compreendidos falarmos com alguém sobre a situação de bullying – um amigo, os nossos pais, um Professor ou o Psicólogo da escola. Falar com alguém pode ajudar a acalmar a nossa ansiedade e sentimentos de medo e frustração.
  • Cria uma equipa de campanha anti-bullying. Encontra outros alunos que se importem e convida-os a formar uma equipa de campanha para tornar a tua escola livre de intimidação. Usa a vossa primeira reunião para descobrir quais tipos de bullying mais frequentes na vossa escola. Usem as definições de bullying do No Bully.
  • Escreve uma petição que chame o diretor da escola a acabar com o bullying na tua escola. Tu ou a tua equipa de campanha podem criar uma on-line em http://peticaopublica.com/
  • Tu, os teus pais ou os teus professores, podem pedir que a No Bully vá à tua escola. Contacta-nos!

Se estiveres a ser alvo de cyberbullying:

Ninguém merece sofrer de cyberbullying. Infelizmente, isso acontece a muitos jovens diariamente.

Tenta lembra-te:

  • Tens o direito de ser respeitado. Mereces ser tratado respeitosamente pelos colegas e amigos. Apesar de ser difícil, não acredites nos insultos ou comentários maldosos. Palavras doem, mas não te definem.
  • Não retalies. Se alguém praticar cyberbullying, não o tentes vencer no mesmo jogo. Normalmente, é muito melhor ignorar os infratores. Eventualmente a maioria acaba por parar. Se isso não funcionar, procura a ajuda de adultos.
  • Guarda uma prova. Copia, guarda, imprime ou descarrega imagens ofensivas ou mensagens para mostrar a um adulto confiável caso o cyberbullying não pare.
  • Bloqueia o cyberbully. Considera alterar as tuas configurações de privacidade. Remove o infrator de qualquer lista de amigos. Depois de reunires provas, informa que as publicações são inapropriadas. Por mais difícil que seja, não olhes para as mensagens novamente - basta apagá-las.
  • Encontra aliados. Não te esqueças de te apoiares num amigo e falares sobre o que sentes com alguém que te ouve. Existem também muitos grupos online e presenciais aos quais podes recorrer para ajuda.
  • Informa um adulto em quem confies - um pai, treinador, professor, mentor, membro da família ou vizinho. Ser vítima de cyberbullying pode agravar se tentares lidar com isso sozinho. Muitos adultos já passaram por isso antes, e terão histórias pessoais e sabedoria para partilhar.


Se conheces alguém que está a ser alvo de bullying...

• Não sejas um espectador. Ao não fazer nada, estás a fazer parte do problema. Considera maneiras de ajudar o alvo. A maioria as escolas permitem que relates o incidente, seja pessoalmente ou anonimamente. E deixa o alvo saber que estás lá para ele.

• Fica com o alvo. Podes evitar ser um espectador ouvindo e consolando o alvo. Ajuda-o a encontrar um adulto de confiança que possa ajudar. É mais fácil enfrentar os problemas se não estiveres sozinho.

• Sê proativo. Se te sentires confortável, diz ao ofensor para parar. Deixa claro que pensas que o que está a acontecer é errado. Apesar de tudo, deves dizer a um adulto de confiança o que sabes e viste.

• Cria uma campanha de bondade. Encontra outros alunos que se importem e convida-os a formar um equipa para promover a bondade na vossa escola. Destaca e celebra aqueles que fazem atos aleatórios de bondade para com os outros.

Linhas de apoio

Se precisares de falar com alguém e não souberes quem, podes ligar para uma linha de ajuda. Aqui estão algumas:

Conversar:

  • Telefone da amizade – 228 323 535 | Apoio em situações de crise pessoal e suicídio | Das 16 às 23h
  • Conversa Amiga – 808 237 327 (chamada local) | Apoio, orientação e formação | Das 15h às 22h
  • Linha SOS Palavra Amiga – 232 42 42 82 | Das 21 à 01h
  • Centro SOS-Voz Amiga – 21 354 45 45/ 91 280 26 69/ 96 352 46 60 | Ajuda na solidão, ansiedade, depressão e risco de suicídio | Das 16 às 24h
  • Linha Verde gratuita – 800 209 899 | Das 21 às 24h
  • Linha Telefone amigo – 239 72 10 10 | Das 17 à 1h
  • Linha Telefone Amizade – 800 205 535 | De segunda a quinta, das 16 à 1h; Sexta e Sábado, das 19 às 21h

Apoio a vítimas:

  • APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima – 116 006 (chamada gratuita) | Dias úteis das 9 às 19h
  • CNPCJR Comissão Nacional de Protecção das Crianças e Jovens em Risco – 21 115 52 70 | e-mail: cnpcjr@seg-social.pt
  • Linha Jovem – 800 208 020 | Das 9 às 18 horas
  • SOS Estudante – 96 955 45 45 ou 808 200 204 (chamada local) | Apoio emocional e prevenção do suicídio | Das 20h à 1h
  • S.O.S. Adolescente – 800 202 484

Sexualidade:

  • Linha Informativa de Informação sobre orientação sexual e identidade de género – 96 878 18 41
  • Associação ILGA Portugal – 218 873 922 /969 239 229 | apoio e informação LGBT | Quarta a Domingo das 20 às 23h
  • Sexualidade em linha – 808 222 003 (chamada local) | Informação e aconselhamento na área da saúde sexual e reprodutiva | Segunda a sexta das 10 às 19h; sábado das 10 às 17h.

Tens dúvidas em relação ao bullying?

Contacta-nos para jovens@nobully.pt