Escolas

Workshop Aberto para Educadores

O próximo Workshops para Educadores será dias 1 e 8 de Dezembro, divido em 2 sessões de 3 horas. Terá lugar no Espaço Full Fill, no Lumiar, em Lisboa. Serão entregues diplomas aos participantes.

Preencha este questionário para garantir o seu lugar.

O Sistema No Bully

O Sistema No Bully é um processo com o intuito de prevenir e parar o bullying nas escolas, que guia líderes escolares e funcionários através de várias intervenções. Ao longo de 12 anos, já conseguiu:

+8.000

Professores treinados

+200

Escolas sem bullying

+120.000

Estudantes envolvidos

90%

Sucesso nos casos intervencionados

Resultados médios do impacto da No Bully nos EUA

Feedback dado pelos alunos intervencionados

Frequência do Bullying

Intensidade do Bullying

Sensação de Segurança

Leve a No Bully à sua escola e crie um ambiente positivo!

Contacte-nos para: escolas@nobully.pt



Níveis do Sistema No Bully

    • Nível 1 - Prevenir & construir uma cultura escolar inclusiva
      • A escola junta-se aos pais para prevenir o bullying e o cyberbullying através da construção de uma cultura onde todos os alunos são aceites por quem são.
    • Nível 2 - Interromper e relatar ao Coach de Solução®
      • Todos os profesores e auxiliares interrompem o desrespeito e violência e relatam os incidentes de bullying ou assédio repetidos a um Coach de Solução da escola.
    • Nível 3 - Criar uma Equipa de Solução® e acompanhar
      • O Coach de Solução reúne uma Equipa de Solução de alunos para acabar com bullying, e acompanha os alunos presos no papel de bully ou alvo.
    • Nível 4 - Implementar um plano de ação criador de empatia
      • Se existir um padrão de bullying e intolerência na turma, o Coach de Solução implementa um plano para criar uma cultura de aceitação.

Um processo de implementação completo

Férias de Verão

Planeamento

  • Implementação do projeto com a Direção da escola


1º Período

Formação

  • Professores
  • Auxiliares
  • Encarregados de Educação
  • Alunos


2º Período

Seleção dos Coaches

  • Professores
  • Auxiliares
  • Técnicos


3º Período

Acompanhamento

  • Reunião mensal com Coaches


Uma solução baseada na empatia e colaboração

Durante a 1ª semana

Identificação do caso

Toda a escola está atenta a casos de bullying e reporta aos Coaches


Durante a 1ª semana

Conversa com alvo

O Coach conversa com o alvo do bullying e esclarece o que se passa


3 semanas depois da identificação

Equipa de Solução

O Coach cria equipa de alunos envolvidos no caso. Reúnem-se 3 vezes e passam a ajudar o alvo


3 meses depois da intervenção

Acompanhamento

O Coach acompanha o alvo do bullying e avalia se o caso foi resolvido


Programa de Formação

Para os alunos:

  • Workshops para compreender o que é o bullying, os seus impactos e como solucionar o problema - uma reunião de 30 minutos com o Diretor de Turma três sessões de 90 minutos por turma, ao longo do ano.

Para os Encarregados de Educação:

  • Workshop de 1h30 para compreender o que é o bullying e o cyberbullying e como prevenir que os jovens se tornem alvos ou bullies

Para Professores, Assistentes Operacionais e Técnicos:

  • Sessões de 1h30 para perceber o que é o bullying e como preveni-lo
  • Formação de 6h para aprender a resolver casos de bullying
  • Sessões de acompanhamento da implementação

Leve a No Bully à sua escola e crie um ambiente positivo!

Contacte-nos para: escolas@nobully.pt

A nossa proposta de valor para as escolas

Construção de empatia

Preventivo

Resultados claros

Certificado

Envolvimento da comunidade

Autonomia da escola

A nossa experiência

Escolas já intervencionadas:

  • Escola Básica 2,3 das Olaias (Lisboa)
  • Escola Básica do Alto de Algés (Algés)
  • Escola Patrício Prazeres (Lisboa)
  • Escola Básica 2,3 de Marvila (Lisboa)

Testemunhos

"O Projeto permitiu-me ver os meus alunos passarem de uma profunda tristeza e sofrimento a uma alegria e alívio. Agradeço o facto de ter podido receber esta formação e de poder ajudar os meus alunos a ter uma vida melhor!"

Giséla Diniz - Psicóloga na Escola Básica 2,3 das Olaias (Lisboa)

"A equipa No Bully teve a capacidade de envolver todos os setores da comunidade educativa (...). Fez sessões com todos os intervenientes de forma incansável, adaptando-se aos múltiplos imprevistos que fazem parte integrante do dia a dia da escola."

Paula Castanheira - Vice-Diretora na Escola Básica 2,3 das Olaias (Lisboa)

Responder ao Bullying

Pare com o Bullying no local!

Quando os adultos respondem de forma rápida e consistente ao comportamento de intimidação, eles enviam a mensagem de que não é aceitável. Pesquisas mostram que isso pode impedir o comportamento de bullying ao longo do tempo. Há passos simples que os adultos podem tomar para parar o bullying no local e manter as crianças seguras.


O que fazer:

  • Intervir imediatamente. Não há problema se o fizer com ajuda de outro adulto;
  • Separe as crianças envolvidas;
  • Certifique-se de que todos estão seguros;
  • Atenda a quaisquer necessidades médicas ou mentais imediatas;
  • Fique calmo. Tranquilize as crianças envolvidas, incluindo espectadores;
  • Mostre um comportamento respeitoso quando intervir.


Evite estes erros comuns:

  • Não ignore. Não pense que as crianças podem ultrapassá-lo sem a ajuda de um adulto;
  • Não tente imediatamente perceber os factos;
  • Não force as outras crianças a dizer publicamente o que viram;
  • Não questione as crianças envolvidas à frente de outras crianças;
  • Não fale com as crianças envolvidas juntas, apenas separadamente;
  • Não obrigue as crianças envolvidas a pedir desculpa ou reparar relações no local.


Obtenha ajuda da polícia ou médica imediatamente se:

  • Uma arma está envolvida;
  • Existem ameaças de ferimentos graves;
  • Há ameaças de violência motivada pelo ódio, como racismo ou homofobia;
  • Há sérios danos corporais;
  • Existe abuso sexual;
  • Qualquer um é acusado de um ato ilegal, como roubo ou suborno.


Descubra o que aconteceu:

Quer tenha acabado de pôr um fim a uma situação de bullying ou um aluno tenha entrado em contacto consigo de modo a obter ajuda, siga os seguintes passos de modo a determinar qual a melhor forma de agir.


Conheça os factos:

  • Mantenha todas as crianças envolvidas separadas;
  • Oiça a história de várias fontes, adultos e crianças;
  • Oiça sem culpar.
  • Não mencione a palavra bullying enquanto tenta perceber o que aconteceu.

Pode ser difícil obter toda a história, especialmente se vários alunos estiverem envolvidos ou se o bullying envolver bullying relacional (social bullying) ou cyberbullying (cyberbullying). Obtenha todas as informações disponíveis.

Existem muitos comportamentos que parecem bullying, mas exigem abordagens diferentes. É importante determinar se a situação é bullying ou outra coisa.

Para determinar se é bullying ou algo diferente, considere as seguintes perguntas:

  • Qual é a história entre as crianças envolvidas? Houve conflitos passados?
  • Existe um desequilíbrio de poder? Lembre-se de que um desequilíbrio de poder não está limitado à força física. Às vezes não é facilmente reconhecido. Se a criança alvo sentir que há um desequilíbrio de poder, provavelmente existe.
  • Isso aconteceu antes? A criança está preocupada que possa acontecer novamente?
  • As crianças namoraram? Existem respostas especiais para a violência no namoro entre adolescentes.
  • Alguma das crianças está envolvida com um gangue? A violência dos gangues tem diferentes intervenções.

Lembre-se de que pode não importar “quem começou”. Algumas crianças que sofrem bullying podem ser vistas como irritantes ou provocadoras, mas isso não justifica o comportamento de intimidação.

Depois de determinar se a situação é bullying, apoie as crianças envolvidas.


No caso de se tratar de cyberbullying:

  • As escolas usam com sucesso o No Bully System® para impedir o cyberbullying, assim como qualquer outra forma de bullying. De facto, em muitos casos, um estudante que é vítima de cyberbullying também está a ser vítima de bullying presencial na escola.
  • A melhor solução para resolver o cyberbullying é investir na sua prevenção. Reserve vinte minutos para ensinar uma disciplina sobre cyberbullying a todos os seus alunos do ensino básico e secundário.
  • Invista num currículo que promova a aprendizagem social e emocional, a alfabetização mediática e descarregue os módulos gratuitos da CommonSense Education acerca da cidadania digital.
  • Convide pais e responsáveis ​​a fazer com que a vida online seja livre de bullying.
  • Ajude os seus alunos a resolver o cyberbullying dentro e fora do perímetro escolar.
  • Mesmo que esteja a ensinar alunos e pais acerca da prevenção, incidentes de cyberbullying ainda podem ocorrer. O cyberbullying compromete a capacidade de aprendizagem de um aluno e, embora as escolas não estejam legalmente obrigadas a lidar com o bullying que ocorre fora da escola, os problemas provavelmente espalhar-se-ão por ela e afetarão a cultura escolar.
  • Relate ameaças criminosas à polícia. O cyberbullying pode, em situações extremas, constituir uma violação do direito penal. Por exemplo, se um aluno fez uma ameaça real para matar ou causar grandes lesões corporais a outra pessoa. O sexting pode desencadear leis de pornografia infantil contra a disseminação de imagens sexuais de crianças. Se suspeitar que um incidente de cyberbullying atingiu um nível criminal, consulte o responsável legal da instituição.
  • Siga o No Bully System® - ofereça ao alvo do cyberbullying uma Solution Team® como um meio informal de resolução.

FAQs

Não é o castigo a melhor forma de acabar com o bullying?

Embora muitas escolas ainda respondam ao bullying com punição (geralmente consequências na escola para o bully seguido de suspensão e expulsão), pesquisas mostram que a punição geralmente não é uma maneira eficaz de mudar o comportamento do aluno. Os jovens que são punidos por bullying são mais do que propensos a retaliar contra o alvo.


Não é preferível ser-se rigoroso e utilizar uma política de tolerância zero?

Políticas de tolerância zero levam a uma série de consequências automáticas para atos específicos de bullying. No entanto, uma pesquisa conduzida em 2007, pela Associação Americana de Psicologia, mostrou que as políticas de tolerância zero eram altamente ineficazes em impedir a violência estudantil ou bullying e que as escolas que as adotam tendem a experimentar níveis mais altos de agressão estudantil e níveis inferiores de desempenho académico. Além disso, as escolas que dependem de suspensões segmentam desproporcionalmente os alunos de cor e criam ambientes escolares severos que contribuem para uma ligação entre a escola e a prisão.


Porque não apenas falar com o bully e com o alvo?

O bullying é um fenómeno de grupo através do qual os alunos recebem status social baixo ou são excluídos inteiramente pelos seus pares. Tentar resolver o problema concentrando-se apenas no agressor e no alvo geralmente não altera a posição do alvo. A verdadeira mudança só é alcançada intervindo num grupo de pares mais amplo de modo a abordar a cultura do bullying e mudar a dinâmica dos grupos de pares.


A Solution Team® não deixa simplesmente que os alunos saiam impunes de ocorrências de bullying?

As escolas que usam uma Solution Team® responsabilizam os alunos de bullying pedindo que eles tomem medidas para o impedir. Os alunos permanecem na Solution Team® até que tenham gerado mudança. A experiência de ouvir como eles estão a ferir outro(s) aluno(s) e ser parte integrante da solução faz com que seja mais provável que deixem de intimidar outros e se prove mais eficaz do que qualquer outro castigo.


Não é caro lidar com o bullying quando os orçamentos são tão apertados?

Os custos de não fazer nada superam consideravelmente os custos de implementação do No Bully System® na sua escola. Os estudantes geralmente sofrem danos irreparáveis e, em casos extremos, acabam com as próprias vidas devido a incidências de bullying. As escolas têm a responsabilidade legal de fornecer um ambiente de aprendizagem seguro para os seus alunos.


A No Bully ajudar-nos-á a conseguir financiamento?

A No Bully é, por vezes, capaz de estabelecer a ligação entre escolas e financiadores públicos ou privados, dispostos a financiar os custos das escolas que escolhem implementar o sistema No Bully. Se estiver interessado em explorar essa possibilidade, fale connosco.

Leve a No Bully à sua escola e crie um ambiente positivo!

Contacte-nos para: escolas@nobully.pt